REGULAMENTO DO PROGRAMA DE ACESSO, PERMANÊNCIA E ÊXITO DOS ESTUDANTES DO IFTM - PAPEE/IFTM

Responsável: REITORIA\PRO-REITORIA DE ENSINO\DIRETORIA DE ENSINO\COORDENAÇÃO GERAL DE ENSINO
Status: Em discussão
Abertura: 24/04/2023
Encerramento: 05/06/2023
Participantes: Servidores do IFTM, Estudantes do IFTM Ver detalhes dos participantes

Resumo

As comissões Central e Local do Papee/IFTM compartilham a versão da minuta do REGULAMENTO DO PROGRAMA DE ACESSO, PERMANÊNCIA E ÊXITO DOS ESTUDANTES DO IFTM para acolher  e discutir sugestões da comunidade interna sobre o tema. 

Conteúdo

1

REGULAMENTO DO PROGRAMA DE ACESSO, PERMANÊNCIA E ÊXITO DOS ESTUDANTES DO IFTM - PAPEE/IFTM

2

CAPÍTULO I

3

DAS DISPOSIÇÕES PRELIMINARES

4

Art.1º Este regulamento visa normatizar, no âmbito do Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Triângulo Mineiro - IFTM, o Programa de Acesso, Permanência e Êxito dos Estudantes do IFTM - Papee.

5

Art. 2º O Papee é um programa institucional que tem por finalidade promover a permanência e o êxito como uma política institucional necessária à melhoria da qualidade educativa, contribuindo para o acesso do público ao IFTM e para melhorar os indicadores de eficiência acadêmica. 

6

Parágrafo único. As ações do Papee são de responsabilidade de toda a comunidade escolar, promovendo o desenvolvimento na perspectiva de uma sociedade inclusiva e democrática.   

7

Art. 3º Os objetivos do Papee são:

8

I – identificar e analisar os fatores relacionados à evasão e retenção escolar no âmbito do IFTM;

9

II – propor e planejar estratégias que propiciem o desenvolvimento da missão institucional; 

10

III – consolidar os dados e elaborar uma proposta de Plano Estratégico Institucional;

11

IV – implementar ações de intervenção sistêmica e institucional, para enfrentamento das situações relativas aos fatores recorrentes de evasão e retenção escolar;

12

V – apoiar a formação continuada dos (as) servidores (as), especialmente quando relacionada aos fatores de abandono e retenção identificados no diagnóstico qualitativo;

13

VI - fomentar ações, programas e projetos de ensino, pesquisa e extensão com vistas a reforçar a divulgação e promoção das políticas de acesso institucional para a comunidade externa.

14

Art. 4º No desenvolvimento dos trabalhos do Papee adotam-se as definições descritas na Plataforma Nilo Peçanha - PNP.

15

CAPÍTULO II

16

DA ORGANIZAÇÃO DO PAPEE

17

Art. 5º O Papee é organizado pela Comissão Central e pelas Comissões Locais.

18

Art. 6º. A Comissão Central deverá ser composta por:

19

I –  quatro representantes vinculados à Proen: um (a) coordenador (a) de curso técnico, um (a) coordenador (a)  de curso de graduação, um (a) representante da Coordenação de Ações Inclusivas e de Diversidade (Caid), um (a) representante da Comissão Permanente de Processo Seletivo (Copese);

20

II – dois (as) representantes da Pró-Reitoria de Extensão e Cultura (Proext): um (a) representante da Diretoria de Extensão e Cultura e Assistência Estudantil (Decae) e um (a) representante da Coordenação de Estágio e Acompanhamento de Egressos (Ceae);

21

III – dois (as) representantes da Pró-Reitoria de Pesquisa, Pós-Graduação e Inovação (Propi): Coordenação Geral de Pós- Graduação;

22

IV – um (a) representante da Pró-Reitoria de Desenvolvimento Institucional (Prodin): de preferência aquele (a) que participe do acompanhamento do PDI - Plano de Desenvolvimento Institucional.

23

§1º Na ausência dos (as) representantes titulares das coordenações indicadas nos incisos anteriores, seus respectivos substitutos assumirão as atividades afins na Comissão Central.

24

§2º A presidência da Comissão Central será rotativa entre as pró-reitorias (Proen, Proext e Propi) relacionadas neste caput.

25

§3º Cada mandato de presidência da Comissão Central terá duração de dois anos.

26

Art.7º A Comissão Local é formada por, no mínimo:

27

I - um (a) representante do Setor Pedagógico (SP);

28

II - um (a) Técnico(a) em Assuntos Educacionais ou  Pedagogo (a) que atue em outros setores ligados à Coordenação Geral de Ensino, Pesquisa e Extensão (CGepe) ou equivalente;

29

II - todos (as) os (as)  coordenadores (as)  de curso;

30

III - um (a) representante da Coordenação de Controle e Registro Acadêmico (CRCA);

31

IV - um (a) representante da Decae e Ceae;

32

V- um (a) representante da Direção/coordenação de Pesquisa e Inovação;

33

VI- um (a) representante de cada núcleo de ações inclusivas:

34
  1. um (a) representante do Núcleo de Atendimento a Pessoas com Necessidades Específicas (Napne);
  2. um (a) representante do Núcleo de Estudos Afro-Brasileiros e Indígenas (Neabi);
  3. um (a) representante do Núcleo de Estudos de Diversidade, Sexualidade e Gênero (Nedseg).
35

Parágrafo único.  É facultada a participação  de outros (as) servidores (as) técnicos (as) e docentes, bem como de estudantes, a critério de cada campus, nas reuniões da Comissão Local.

36

CAPÍTULO III

37

DAS ATRIBUIÇÕES 

38

Art.8º       São atribuições da Comissão Central:

39
  1. elaborar o Plano Estratégico Institucional a cada 4 anos; 
  2. encaminhar o Plano Estratégico Institucional para apreciação do Conselho de Ensino, Pesquisa e Extensão (Cepe) e do Conselho Superior (Consup);
  3. divulgar, acompanhar e avaliar o desenvolvimento do Plano Estratégico Institucional.
  4. orientar e acompanhar os trabalhos das Comissões Locais;
  5. planejar e organizar as reuniões e eventos afins;
  6. analisar os Planos Estratégicos Locais;
  7. fornecer dados para atualização da página institucional;
  8. fomentar grupos de estudo;
  9. criar, revisar e divulgar documentos afins à realização das atividades do programa;
  10. revisar os questionários de coleta de dados;
  11. acompanhar os registros constantes no Quadro Informativo (QI) do Estudante quanto à coleta dos dados quantitativos (questionários);  
  12. planejar e solicitar a criação de um sistema integrado de armazenamento de dados de todos os estudantes bolsistas e que recebem algum tipo de auxílio financeiro do IFTM;
  13. criar um banco de Estratégias de Intervenções a partir do levantamento de dados dos Diagnósticos Qualitativos;
  14. assessorar a execução dos Planos Estratégicos Locais e Institucional, no que tange às metas e ações previstas no PDI, quanto aos indicadores de retenção e evasão.
40

Art. 9º São atribuições das Comissões Locais:

41
  1. fazer  o levantamento  dos diagnósticos quantitativo e qualitativo de cada curso; 
  2. elaborar as estratégias de intervenção para cada curso junto à comunidade acadêmica;
  3. avaliar as estratégias de intervenção executadas para cada curso junto à comunidade acadêmica;
  4. elaborar o Plano Estratégico Local;
  5. encaminhar o Plano Estratégico Local para a Direção Ensino/ Cgepe que deverá enviar o documento para apreciação do Conselho Gestor;
  6. encaminhar o Plano Estratégico Local para a Comissão Central responsável pela elaboração do Plano Estratégico Institucional;
  7. apresentar à comunidade acadêmica do campus o Plano Estratégico Local;
  8. acompanhar a execução das ações de intervenção propostas no Plano Estratégico Local; 
  9.  participar em reuniões e eventos afins; 
  10. fomentar grupos de estudo sobre a temática; 
  11. auxiliar na elaboração/revisão de documentos afins quando solicitado;
  12. aplicar os questionários aos estudantes concluintes, retidos, desistentes ou  que solicitaram trancamento; 
  13. gerenciar o arquivamento de dados coletados para elaboração do diagnóstico qualitativo;
  14. elaborar o diagnóstico qualitativo a partir dos questionários aplicados;
  15. verificar nas CGepes/CGEs os estudantes bolsistas ou voluntários vinculados a projetos concluídos e em andamento para análises dos dados de permanência e êxito;
  16. elaborar um relatório anual com análise do diagnóstico quantitativo e acompanhamento do desenvolvimento do Plano Estratégico Local; 
  17. encaminhar o relatório anual para a Direção Ensino/ Cgepe que deve enviar o documento para apreciação do Conselho Gestor e socializar com a comunidade acadêmica; 
42

Art. 10 É atribuição do(a) reitor(a) e dos(as) diretores(as) gerais ou equivalentes a designação/atualização das Comissões Central e Locais, respectivamente. 

43

 CAPÍTULO IV

44

DO PLANEJAMENTO, DA EXECUÇÃO E DA AVALIAÇÃO DAS AÇÕES DO PAPEE

45

Art.11 O Plano Estratégico do Papee deve contemplar, no mínimo:

46

I - Diagnóstico quantitativo;

47

II - Diagnóstico qualitativo;

48

III - Estratégias de intervenção;

49

IV - Avaliação de estratégias de intervenção.

50

§1º O diagnóstico quantitativo deverá ser anual, a partir de dados da Plataforma Nilo Peçanha (PNP) e do Sistema acadêmico do IFTM, apontando o quantitativo de estudantes ingressantes, retidos, retidos em flexibilização curricular, evadidos, concluintes por ciclo do curso e por campus, bem como bolsistas de extensão, de pesquisa, de ensino e participantes de programas de assistência estudantil .

51

§2º O Diagnóstico Qualitativo poderá ser quadrianual identificando as causas da retenção, da evasão e da conclusão no tempo mínimo de integralização por curso, por matrícula e por campus.

52

§3º O Diagnóstico Qualitativo deverá ser analisado a partir da tabulação dos dados obtidos pela PNP, do Sistema acadêmico do IFTM e pelos questionários respondidos pelos estudantes e/ou do levantamento de informações em reuniões com a comunidade acadêmica.

53

§4º Anualmente, os questionários específicos devem ser aplicados de acordo com o situação de cada estudante (concluinte, retido, evadido e/ou vinculado a políticas de ações afirmativas) disponíveis no Módulo QI no Virtual IF.

54

§5º A partir dos dados arquivados no Módulo QI, devem ser gerados relatórios que estarão disponíveis para as comissões Central e Local. 

55

§8º As estratégias de intervenção devem ser criadas, a partir do diagnóstico qualitativo identificado, bem como da avaliação das estratégias executadas e das sugestões coletadas junto à comunidade acadêmica.

56

§9º Durante a elaboração das estratégias de intervenção, a comissão local deve promover pelo menos duas reuniões com docentes e estudantes,  considerando:

57
  1. - consulta sobre causas da retenção e da evasão para o levantamento do Diagnóstico Qualitativo e;
58

II - consulta acerca da criação e/ou avaliação de Estratégias de Intervenção.

59

§10 º As Estratégias de intervenção deverão ser acompanhadas, avaliadas e ajustadas durante a elaboração do Relatório Anual (Anexo III) a ser apresentado ao Conselho Gestor e comunidade acadêmica do campus. 

60

Art.12 Os Planos Estratégicos  Institucional (Anexo I) e Local (Anexo II) são diretamente relacionados e devem ser elaborados conforme modelos específicos disponíveis nos anexos deste regulamento.

61

§1º Os Planos Estratégicos Institucional e Local terão vigência para os 4 anos subsequentes à sua elaboração.

62

§2º O Plano Estratégico Institucional será elaborado a partir das informações descritas nos Planos Estratégicos Locais.

63

Art.13 Após aprovado pelo Cepe e Consup, o Plano Estratégico Institucional deverá ser divulgado para a comunidade acadêmica.

64

CAPÍTULO V

65

DAS DISPOSIÇÕES FINAIS

66

Art.14 As ações do Papee são de responsabilidade de toda a comunidade escolar, enquanto sujeitos ativos na oferta da Educação Profissional e Tecnológica, está diretamente relacionado ao Plano de Desenvolvimento Institucional- PDI. 

67

Art. 15. Casos omissos serão dirimidos pela Comissão Central. 

68

Art.16. Este regulamento entra em vigor na data estabelecida pelo Consup, revogando-se a Resolução nº 77/2019.

69

Anexo I : Modelo de Plano Estratégico Local

70

Anexo II: Modelo de Plano Estratégico Institucional

Conteúdo sugerido pelos participantes

1

.

Por Ilma Aparecida em 25/05/2023 14:42

Envie sua sugestão de conteúdo