Ir direto para menu de acessibilidade.
Você está aqui: Página inicial > Últimas Notícias > IFTM avança na busca de melhores alternativas para atendimento a estudantes com necessidades específicas
Início do conteúdo da página
Notícias

IFTM avança na busca de melhores alternativas para atendimento a estudantes com necessidades específicas

Dia Nacional de Luta da Pessoa com Deficiência reforça a importância de uma educação brasileira mais inclusiva

  • Por IFTM Reitoria
  • Publicado em 22/09/2020 às 16:00
  • Última modificação 23/09/2020 às 15:19
21 de setembro - Dia Nacional de Luta da Pessoa com Deficiência
21 de setembro - Dia Nacional de Luta da Pessoa com Deficiência
Crédito: Diretoria de Comunicação Social e Eventos - DCSE - IFTM

O dia 21 de setembro, Dia Nacional de Luta da Pessoa com Deficiência, instituído pela lei nº 11.133/2005, representa a luta contra o preconceito e pelo reconhecimento social de inúmeras pessoas com deficiência no país.

Um dos grandes desafios dessa luta é promover uma educação efetivamente inclusiva nas instituições brasileiras de ensino que, nos últimos anos, têm avançado nesse aspecto. Embora muitos desafios se apresentem, uma vez que ainda existe exclusão nos espaços escolares, professores e alunos sentem inúmeras dificuldades para lidar com as diferenças.

A pedagoga e assessora de Ações Inclusivas do Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Triângulo Mineiro (IFTM), Rutiléia Maria de Lima Portes, relata sua vivência enquanto aluna deficiente visual e hoje enquanto profissional, atuando na busca por melhores alternativas para atendimento a alunos com necessidades específicas: “Minha primeira experiência escolar foi em um ambiente especializado/segregado. Depois, na adolescência, vivenciei o período de integração, em que tínhamos que nos adaptar, nos sujeitar a todo tipo de discriminação para nos mantermos dentre os ditos ‘normais’. Agora vivencio o modelo inclusivo, no qual as instituições escolares é que precisam se adaptar para incluir o estudante com deficiência”.

Rutiléia destaca que o IFTM vem avançando na busca por essas alternativas com vistas à promoção de uma educação mais inclusiva e abrangente para os estudantes. “Eu me sinto feliz por ter a oportunidade de vivenciar tantos avanços em nossa instituição e por saber que elas refletem o que vem ocorrendo na sociedade em geral. São muitas as conquistas do IFTM nesse sentido, mas queremos lutar mais. O meu desejo é que nossos estudantes não tenham experiências escolares tão difíceis quanto foram as minhas”.

Além da assessoria de Ações Inclusivas, o IFTM conta também com os Núcleos de Atendimento a Pessoas com Necessidades Específicas (Napnes), em todos os 9 campi, que têm por finalidade garantir o acesso, a permanência e o sucesso escolar do estudante com necessidades educacionais específicas na instituição.

Dentre as principais ações inclusivas desenvolvidas ao longo dos últimos anos no IFTM, destaca-se, além da criação da referida assessoria, adequação da estrutura física dos prédios dos campi, com instalação de piso tátil, mapa tátil, placas em braille, balcão de atendimento, inclinação de rampas, corrimãos, torneiras específicas, barras sanitárias, guarda-corpo, pintura de identificação e reserva de vagas; aquisição de impressoras Braille e outros equipamentos de tecnologia assistiva; oferta de cursos e de capacitação para servidores da instituição; acompanhamento da saúde mental dos estudantes com necessidades específicas, especialmente no momento de pandemia da Covid-19; dentre outras.

Em vigor desde o último dia 10, a Instrução Normativa (IN) nº13, aqui em anexo,estabelece procedimentos para atendimento e flexibilização curricular aos estudantes com necessidades específicas da instituição. O documento prevê o atendimento desses alunos, desde a matrícula, momento em que, em sua maioria, são identificados com alguma necessidade específica e/ou deficiência, à certificação, que poderá ocorrer de forma diferenciada, conforme legislação.

A IN prevê, ainda, a construção do Plano Educacional Individualizado – PEI, uma proposta pedagógica compartilhada, a ser construída de forma colaborativa pelos profissionais da instituição, pais/responsáveis e, quando possível, pelo próprio estudante, conterá os registros das adaptações individualizadas, dos conhecimentos e habilidades prévios que identificam o repertório de partida, o acompanhamento da evolução em direção aos objetivos e o desenvolvimento de novas estratégias de ensino e de aprendizagem para o estudante com necessidade específica.

Para o futuro da educação inclusiva, o IFTM já tem definidos mais caminhos que envolvem toda a instituição: atualização da situação arquitetônica de seus campi; aquisição de equipamentos de informática nos setores em que os estudantes farão uso com autonomia e de material didático e mobiliário adequados; criação de programa de Acessibilidade da instituição; oferta de mais capacitação e formação para servidores; dentre outros.

“A acessibilidade é um tema bastante abrangente e cada área/setor tem sua parcela de contribuição, sendo que a integração entre as atividades é essencial para o alcance da efetiva inclusão no IFTM”, reforça o pró-reitor de Administração da instituição, Humberto Mineu.


Anexos


Assunto(s):
Fim do conteúdo da página